Siga-nos no Facebook
Tupinikim

Pense 20 vezes antes de bater em uma criança

bater em uma criança

Educação

Pense 20 vezes antes de bater em uma criança

Pense 20 vezes antes de bater em uma criança

Sobre as consequências do uso de violência na educação dos filhos

Por Flávia Penido

1 – Bater em alguém mais fraco é, em si, um ato de covardia.

2 – A palmada tende a ir perdendo seu efeito, a longo prazo, e a criança, aos poucos, teme menos a agressão física. A tendência dos pais é, então, bater mais e mais, buscando os efeitos que haviam conseguido anteriormente.

3 – A palmada não resolve os conflitos comuns às relações pais e filhos: muitas das crianças que apanham, mesmo sentindo-se magoadas e amedrontadas, enfrentam os pais dizendo que a “palmada não doeu”, e o que era apenas um tapinha leve no bumbum, acaba virando uma tremenda surra.

4 – A palmada, aos poucos, pode afastar severamente pais e filhos, pois a agressão física, ao invés de fazer a criança pensar no que fez, desperta-lhe raiva contra aquele que a agrediu.

5 – Os danos emocionais impostos pela agressão física são geralmente mais duradouros e prejudiciais que a dor física.

6 – Bater pode ser uma experiência traumática para a criança, não apenas pela dor física que impõe, mas principalmente porque coloca em risco a credibilidade depositada por ela nos pais, que é a base para sentir-se amparada e segura.

7 – A criança não pode se sentir segura se sua segurança 202depende de uma pessoa que se descontrola e para com a qual tem ressentimentos.

8 – A criança que apanha tende a se ver como alguém que não tem valor.

9 – Aos poucos, a criança aprende a enganar e descobre várias maneiras de esconder suas atitudes com medo da punição.

10 – A criança pode aprender a mostrar remorso para diminuir sua punição, sem no entanto senti-lo realmente.

11 – Para a criança, a palmada anula a sua conduta: é como se ela tivesse pago por seu erro, e por isso pensa que pode vir a cometê-lo de novo.

12 – A palmada não ensina à criança o que ela pode fazer, mas apenas o que não pode fazer, sem que saiba ao menos o motivo. A criança só acredita ter agido realmente errado quando alguém lhe explica o porquê e quando percebe que sua atitude afeta ou abala o outro.

13 – O medo da palmada pode impedir a criança de agir errado, mas não faz com que ela tenha vontade de agir certo.

14 – A palmada tem um caráter apenas punitivo, e não educativo; ela pode parecer o caminho mais fácil a ser seguido, porque aparentemente tem o efeito desejado pelos pais. É comum a criança inibir o comportamento indesejado por medo, e não pela convicção de que agiu de maneira inadequada.

15 – Muitas das crianças que apanham aprendem a adquirir aquilo que querem através da agressão física e, não raras vezes, apresentam na escola condutas agressivas para com os coleguinhas.

16 – Uma palmada, para um adulto, pode parecer inofensiva. Porém, é importante saber que cada criança atribui um significado diferente ao fato de “levar umas palmadas”, podendo tornar-se uma experiência marcante em sua vida futura. Além disso, independente da intensidade do bater, o ato continua sendo o mesmo: um ato de violência contra um ser desprotegido.

17 – Bater é uma forma de perpetuação da “cultura da violência” tão presente nas relações entre as pessoas nos dias atuais, pois ensina às crianças que os conflitos se resolvem por meio de agressão física.

18 – Bater nos filhos muitas vezes acaba por gerar nos pais fortes sentimentos de culpa, o que os leva a procurar compensar sua atitude posteriormente, “afrouxando” aquilo que procuravam corrigir.

Curta Tupikim no Facebook

19 – Bater é um atestado de fracasso que os pais passam a si próprios (Zagury, 1985), porque demonstram para a criança que perderam o controle da situação.

20 – O sentido da justiça está em fazer aos outros aquilo que gostaríamos que nos fizessem.

Quando nós adultos agimos de maneira inadequada, não esperamos punição. Alguns autores citam como conseqüência da violência física contra criança e adolescente:

  • Auto-estima negativa
  • Comportamento agressivo
  • Dificuldades de relacionamento
  • Dificuldades em acreditar nos outros
  • Infelicidade generalizada

Autora: Flavia Penido – Portal Maternidade Consciente

Leia também:

As doze tarefas – A missão de cada um dos 12 signos do Zodíaco

Continue sendo você. Alguém vai te amar por ser exatamente assim

Cortando o cordão umbilical: Os problemas de sua família não são seus

Os benefícios fantásticos do silêncio

Gostou? Compartilhe! Obrigado 🙂

Sobre o autor:

Equipe de redação do site

Publicidade

Leia mais em Educação

    Siga TUPINIKIM no Facebook

    POSTS RECENTES

    Como reconhecer se um homem é emocionalmente inteligente

    Autoconhecimento e desenvolvimento pessoal

    Como reconhecer se um homem é emocionalmente inteligente

    Por 20 de outubro de 2017
    Quando seu filho se sente triste

    Família

    Quando seu filho se sente triste

    Por 24 de julho de 2017
    bater em uma criança
    Tomar café prolonga a vida?

    Saúde & Bem-estar

    Tomar café prolonga a vida?

    Por 11 de julho de 2017
    Algumas dicas úteis para melhorar a autoestima

    Psicologia e comportamento

    Algumas dicas úteis para melhorar sua autoestima

    Por 9 de julho de 2017

    Buscar por categoria

    Comentários

    Curta Tupinikim no Facebook
    Subir